Os robôs de ordenha

Como funciona?

U

m robô na fazenda quer dizer "ordenha self-service": sem horários fixos, de acordo com os desejos do animal. Em média, as vacas vêm para ordenha duas a três vezes por dia. O dispositivo reconhece o animal (graças a um colar de identificação detectável por infravermelho, por exemplo), então o processo de ordenha começa totalmente automatizado graças aos sensores (câmera digital 3D, feixes de laser ...) e braços articulados. A máquina primeiro limpa as tetas e depois ordenha como qualquer máquina de ordenha.

Parâmetros podem ser regulados para que o criador impeça que um animal retorne com demasiada frequência e respeite intervalos predefinidos entre duas ordenhas. As tetinas de ordenha são limpas após cada passagem (por pulverização de vapor de água fervente, em geral), e uma lavagem de todo o circuito pode ser programada, duas a três vezes por dia, fora dos horários de pico de ordenha.

"Um robô pode ordenhar sete vacas por hora, a uma taxa de sete a oito minutos por vaca, levando em conta as recusas", diz Arnaud Bethier. A freqüência de ordenha tende a aumentar no inverno, quando os animais saem menos. O leite é então direcionado para um tanque refrigerado.

Paralelamente, como opção, o robô pode conduzir uma avaliação sanitária do animal (estado do úbere, temperatura ...) e análise físico-química do leite. Os modelos mais avançados oferecem análises muito finas: MP, MG, nível de lactose, células ... "O robô analisa 1.000 dados por vaca e por dia", anuncia o fabricante Lely France, líder nacional na França.

Esses dispositivos podem avisar o criador por email ou SMS de um incidente. "Um software permite gerenciar e analisar os dados no computador e às vezes também em seu smartphone, daí a impressão de que alguns criadores nunca conseguirão desconectar-se", afirma Valérie Brocard. Não há apenas o lado positivo, há também um risco psicológico."

Quanto custa?

D

e acordo com as funcionalidades e grau de sofisticação do dispositivo, o preço de um robô de ordenha varia de 100.000 à 200.000 euros. Ao qual devem ser acrescentados os custos de manutenção e manutenção: "Custa (na França) cerca de 15 euros por 1.000 litros, duas vezes mais do que uma sala de ordenha", diz Valérie Brocard. Quanto aos custos de produção, a especialista anuncia "um custo adicional de 20 a 30 euros por 1.000 litros para mão-de-obra, que pode descer para 10 euros no caso de fazendas com sistemas otimizado. O aumento da produção por vaca (na ordem dos 400 litros em média) é acompanhado por um suplemento de concentrados (310 kg) e um menor pagamento de leite (- 6 euros por 1.000 litro), devido a uma qualidade inferior.". •

- Leia também: Robôs de ordenha em questão

Back to summary of N°1 - Agosto 2019